Obras do Teatro Alberto Maranhão atingem quase 50% de execução

O Teatro Alberto Maranhão (TAM) está cada dia mais perto de ter suas portas reabertas ao público. As obras de restauro e recuperação seguem em ritmo acelerado e já atingiram quase 50% de execução. A previsão é que até o final do ano o processo seja concluído. O investimento do Governo do Estado é de R$ 9,6 milhões em obras e equipamentos, com recursos do Banco Mundial.

Esta é uma das maiores e mais cuidadosas reformas feitas desde sua inauguração, em março de 1904. O restauro capitaneado pelo Governo por meio do projeto Governo Cidadão e Secretaria de Turismo pela primeira vez conta com a fiscalização do Instituto do Patrimônio Artístico Nacional (Iphan).

Todos os elementos estão em recuperação para devolver suas características históricas e arquitetônicas originais. As fachadas têm uma importante recuperação nos adornos e paredes, com direcionamento, inclusive, do traço de argamassa que deve ser utilizado pela construtora responsável, a Ramalho Moreira.

Para se adaptar ao cenário de pandemia do novo coronavírus, a empresa firmou um termo de compromisso com o Governo do Estado, através da Secretaria de Estado do Planejamento e das Finanças (Seplan) e do Governo Cidadão, assumindo a responsabilidade de adotar todas as medidas suficientes à manutenção da integridade da saúde dos seus colaboradores e de terceiros que possam ser envolvidos e atingidos pelas obras, de modo a não atrasar o cronograma da restauração.

A intervenção abrange desde a renovação das estruturas elétricas, hidráulicas e de acessibilidade do espaço, até a climatização e paisagismo, reestruturação do palco e camarins, passando ainda por ações de combate a incêndio e implementação de sistema de esgoto.

Detalhes da obra

De acordo com o projeto que vem sendo executado, o jardim do TAM voltará a ter suas características originais com novos canteiros de plantas e bancos. As poltronas e cadeiras dos camarotes e frisas também foram totalmente recuperadas. As janelas e esquadrias do Teatro foram restauradas de maneira criteriosa e artesanal, com a raspagem mecânica manual das antigas demãos de tinta e recuperação das partes danificadas para receber a nova pintura.

A estrutura metálica do telhado foi totalmente reconstituída e reforçada para instalação de telhas termoacústicas sobre a plateia e caixa cênica, garantindo maior isolamento térmico e acústico para o edifício. O sistema de climatização do palco e plateia voltará a ser central, o que garantirá melhor refrigeração e menor quantidade de ruídos durante os espetáculos.

Já estão instaladas três plataformas elevatórias para o acesso de portadores de limitações de mobilidade e dos idosos: uma para os camarotes, outra para o palco e a terceira para sala da orquestra. A obra contemplou ainda a construção de novos banheiros e camarins com bancadas e divisórias em execução. Também já foram executados serviços em pisos e revestimentos de porcelanato em áreas molhadas dos camarins.

A atual gestão do Governo do Estado encontrou apenas 5% das obras executadas e uma série de entraves que dificultavam o andamento do cronograma. O projeto anterior continha erros técnicos que exigiram adequações e um exemplo disso é a não inclusão da reforma da caixa cênica do teatro. O projeto já foi desenvolvido por dois especialistas e os subprojetos de iluminação cênica, sonorização, vestimenta e mecânica cênica estão orçados e aprovados pelo Iphan, restando a definição do recurso para sua realização.

Fonte: ASSECOM/GOVERNO CIDADÃO